segunda-feira, 3 de outubro de 2011

O Presente da Imperfeição

Pergunta: Considero Yom Kipur deprimente. Por que passar um dia nos concentrando em nossos pecados e fracassos? Precisamos ser lembrados do quanto estamos longe de ser perfeitos?

Resposta: Por Aron Moss

Yom Kipur é uma celebração do ser humano. E ser humano significa ser imperfeito.

A falha humana é tão previsível, que D’us colocou no calendário um dia anual do perdão. Não é um feriado opcional somente para aqueles que pecaram. Yom Kipur vem todo ano para todas as pessoas. É como se fosse esperado que pecássemos, que sempre haverá falhas que temos de reparar. D’us não está tão surpreso pelas nossas faltas a ponto de permitir um dia de limpeza por ano. Jamais se esperou que fôssemos perfeitos.

Em todo Yom Kipur recebemos um bilhete de D’us dizendo algo mais ou menos assim:

“Eu sei que você é humano. Os humanos não são perfeitos. Eu os fiz desse jeito, e os amo mesmo assim. Na verdade, é por isso que Eu os amo – porque vocês não são perfeitos. Eu já tinha a perfeição antes de criar vocês. O que Eu desejo da criação é um mundo imperfeito que se esforça por melhorar, repleto de seres humanos que falham, se levantam e vão em frente. Ao ser imperfeito mas apesar disso perseverar, você cumprirá o propósito da sua criação. Conseguiu a única coisa que não posso fazer sem você – você trouxe o D’us perfeito a um mundo imperfeito.

Obrigado.
Com amor,
D’us.”

Para todos nós que não somos perfeitos, Yom Kipur é nosso dia. Em vez de ficarmos deprimidos pelos erros, nós os celebramos. Todo pecado, cada escorregão, cada tentativa falha de corresponder ao nosso potencial é outra oportunidade de crescer e melhorar. Falhar em nossa missão é em si mesmo parte da nossa missão.

Yom Kipur é o dia no qual D’us nos agradece por sermos humanos, e agradecemos a Ele por não sermos perfeitos. Se fôssemos, não teríamos nada mais a fazer.