terça-feira, 14 de agosto de 2012

Caminhando com Deus


Caminhando com Deus


É comum ficarmos espantados diante do avanço tecnológico alcançado em nossos dias. As descobertas são tão frequentes e dinâmicas que chegamos ao ponto de ver ultrapassado no dia seguinte algo que nos parecia ser a invenção mais fabulosa no dia anterior.
A televisão e os outros veículos de comunicação aproximaram tanto os povos que nos possibilitam saber instantaneamente o que acontece no outro lado do mundo. 
Estamos tão acostumados a essas mudanças radicais no nosso cotidiano, mas somos forçados a admitir que muitas vezes nos sentimos literalmente perdidos em certas situações. 
Tanta tecnologia... tanta globalização... tantas informações... tantas opiniões... tantas oportunidades... tanto conforto material... tanto... tanto...
Diante de tantas opções, poderíamos nos considerar os mais felizes do mundo, os mais realizados em todos os sentidos. Mas isso não tem ocorrido.
Há 30 ou 40 anos atrás, acreditávamos que o avanço tecnológico poderia melhorar a nossa maneira de viver. Acreditávamos que com o passar do tempo, o conforto material nos proporcionaria mais tempo e tranquilidade para buscar a Deus e ter comunhão com nossas famílias e amigos... 
Hoje, nos deparamos com todas as conquistas almejadas pelo homem, mas ao mesmo tempo, vemos que este homem está perdido em si mesmo. Aquilo que deveria ser uma conquista acabou se tornando praticamente em fracasso na vida do homem moderno.
Mais tecnologia e conhecimento geraram mais liberdade e esta gerou mais libertinagem e com isso um maior afastamento da comunhão com Deus na vida de muitos de nós.
Moisés estava aberto às possibilidades de um relacionamento mais íntimo com Deus e demonstrando toda a sua confiança pediu que Ele lhe mostrasse o caminho ou a maneira pela qual poderia encontrar graça diante de “Seus olhos”.
Vemos isso em Êxodo 33:13: “Agora, pois, se achei graça aos teus olhos, rogo-te que me faças saber neste momento o teu caminho, para que eu te conheça e ache graça aos teus olhos; e considera que esta nação é teu povo.”
A maneira pela qual Moisés expõe o seu desejo de conhecer o caminho para esse relacionamento se realize, ajuda-nos a entender a necessidade que temos de ser firmes em nossas convicções e de que não devemos nos abater, mas insistir nessa busca, na certeza de que agindo assim encontraremos graça diante de Deus.

Muitos de nós, em determinado momento da vida, deseja encontrar o caminho para este relacionamento, mas talvez o nosso maior inimigo nessa busca seja o imediatismo. Infelizmente queremos que as coisas se resolvam como num passe de mágica.
Moisés subiu ao monte Sinai e ficou ali por 40 dias. Sem que o povo soubesse que seu retorno estava próximo, começaram a reclamar e pediram que Aarão, irmão de Moisés, que lhes fizesse um deus para que fosse adiante deles, porque “aquele Moisés”, diziam eles, não sabiam o que lhe acontecera.
Quantas vezes tomamos o posicionamento daqueles homens que pressionaram Aarão a fabricar o bezerro de ouro?
Dizemos que temos que viver o presente. Alguns sentenciam:
“Ainda sou muito moço, tenho que aproveitar a vida. Daqui a pouco a vida passou e eu não fiz nada. Quando eu estiver com mais idade vou procurar uma “religião” que me aceite como eu sou e não fique me pressionando para mudar a minha maneira de pensar e viver...”.
“Tenho tanto tempo pela frente. Preciso conseguir minha independência financeira. Aí sim poderei pensar em minha vida espiritual...”.
Esse pensamento é um grande erro, pois o nosso futuro depende da maneira como vivermos o presente. Se formos sensatos e vigilantes no presente, certamente poderemos esperar uma vida mais tranquila no futuro. Se, ao contrário, desperdiçarmos o nosso tempo com futilidades, acreditando que poderemos recuperar o “tempo perdido”, maior será a probabilidade de fracassarmos.
Não somos perfeitos e como não existem “super heróis espirituais” também devemos ter paciência em relação a nós mesmos, mas isso, de forma alguma, deve se transformar em comodismo, pois cada um de nós é responsável pelos próprios atos. Certamente, a bondade de Deus nos conduzirá ao arrependimento.
Precisamos suportar as lutas e as dificuldades que esta busca produzirá, mas o livramento que tanto aguardamos e que aos olhos de muitos e, algumas vezes, aos nossos próprios olhos, parece tão distante e impossível, pode ocorrer a qualquer momento. Talvez amanhã ou quem sabe, hoje mesmo.
O amor de Deus aguarda com paciência que nos arrependamos dos maus caminhos pelos quais temos trilhado e que nos apresentemos para iniciarmos a nossa caminhada com Ele. 
Saiba compreender suas limitações. Não fique pensando que você é um “super herói espiritual” e que está isento de errar. Fomos criados para andar em comunhão com Deus. Todos nós erramos e necessitamos retomar o caminho que nos conduz a Ele.
É importante lembrar que mesmo depois de estarmos trilhando os caminhos que Deus nos mostrou, seremos nós mesmos, caminhando num processo de aprendizagem e santificação e isso não se dará de uma hora para a outra.  Não há palavras ou gestos mágicos, mas com perseverança alcançaremos a vitória que tanto almejamos: Descansar à sombra do Onipotente (Sl 91.1).
Haverá a necessidade de nos aproximarmos cada vez mais de Deus através do nosso crescimento espiritual e isso ocorrerá quando passarmos a conhecer mais o que esse Deus que nos criou espera de nós.
Conhecendo a Sua vontade para nossas vidas, conseguiremos entender Seus planos para a nossa vida e as promessas que Ele tem para cada um de nós. 
Permita que Deus trabalhe nelas para que você possa ser mais útil em Suas mãos. 
Infelizmente, muitas vezes transformamos o amor de Deus em lei para nossas vidas e isso nos impede de olharmos para dentro de nós mesmos e entender que somos limitados e imperfeitos. Conheça suas limitações e se entregue nas “mãos” de Deus para que Ele te fortaleça. Seja humilde diante dEle e Ele não apenas te consolará, mas responderá aos anseios mais íntimos do seu coração. 
Que possamos dizer como Moisés: “Agora, pois, se achei graça aos teus olhos, rogo-te que me faças saber neste momento o teu caminho, para que eu te conheça e ache graça aos teus olhos.”
Muita paz!


(בן  ברוך) Ben Baruch

2 comentários:

  1. Oii amigo, sempre aprendo qdo venho aki, eu tenho sentido as dificuldades dos avanços tecnológicos na educação dos filhos, como eles ficam envolvidos com tecnologia e sempre querendo mais e mais, uma pena que não saibam como era bom brincar na rua! Se deixarmos somos engolidos por tanta evolução tecnológica, e a evolução espiritual acaba ficando esquecida! Abraçosss

    ResponderExcluir
  2. Querida Kellen, paz!
    Desculpe a demora em responder.
    Você está certa. Os avanços têm sua utilidade e seria incoerente tentarmos negá-la, mas certamente também têm seus inconvenientes e um deles é essa questão da solidão real que muitos deles provoca nas pessoas, principalmente quando falamos acerca de Internet. As redes sociais aproximam virtualmente muitas pessoas, mas isolam muitos do convívio real que todos necessitamos. A nossa evolução espiritual passa necessariamente pela nossa vida no mundo real.Como em tudo na vida, o equilíbrio é o fator pontual também nessa questão.
    Muita paz e excelente final de semana.
    Abraços.

    ResponderExcluir