sexta-feira, 24 de maio de 2013

A luz de Israel sempre brilhará



Conta-se que, certa vez, ao passar por uma rua de Paris, Napoleão ouviu judeus se lamentarem em uma sinagoga. Era a noite de Tishá b’Av. Entrando na sinagoga, perguntou-lhes por que choravam, prometendo vingança contra aqueles que os haviam feito sofrer. Os judeus responderam que era tarde para tanto: a tragédia ocorrera havia muitos séculos. Naquela data, 1700 anos antes, o Templo Sagrado de Jerusalém fora destruído e, o Povo Judeu, exilado de sua terra. Ao ouvir aquilo, Napoleão declarou: “Um povo que, passados quase dois mil anos, se lamenta por sua terra e seu Templo, certamente merecerá vê-lo reconstruído”.

Durante as Três Semanas de Luto, que se iniciam no dia 17 de Tamuz e se encerram no dia 9 de Av, este ano nos dias 8 e 29 de julho, respectivamente, o Povo Judeu lamenta a queda do Templo Sagrado, a destruição de Jerusalém e a sua dispersão pelos quatro cantos do mundo. Durante quase 2.000 anos, vivemos fora de nossa Pátria ancestral, mas a levamos conosco, na memória e no coração, juntamente com a lembrança de nossa Capital Eterna, Jerusalém, e de nosso Templo.

Há uma ligação, eterna e inquebrável, entre a alma coletiva do Povo Judeu, a Terra de Israel e Jerusalém. Há um vínculo espiritual que nos liga a essa Terra. A ligação de nosso povo com a Terra de Israel permeia também a Torá. Praticamente todos os seus versículos a mencionam. Por esse motivo, os que almejavam fundar um Estado Judaico se recusaram a estabelecê-lo em qualquer outro lugar.

Israel é nosso lar ancestral e eterno, é o lugar na Terra onde mais paira a Presença Divina e, acima de tudo, é o segredo para o futuro do Povo Judeu e de toda a humanidade.

Não é apenas o Povo Judeu que não consegue viver sem a Terra de Israel. Eretz Israel também sofre com a ausência de seu povo. Evidência disso é que durante os 2000 anos de exílio judaico, a Terra foi negligenciada, tornou-se árida, e em nenhum momento de sua história foi um país soberano.

Neste último Yom Yerushalaim, Dia de Jerusalém, o Presidente Shimon Peres declarou que, ao longo dos últimos 4000 anos, 22 impérios tentaram conquistar Jerusalém. Contudo, apenas o Povo Judeu fez da cidade a sua capital: foi o Rei David quem escolheu Jerusalém como a capital do seu império. Desde a queda de Jerusalém, a Cidade Sagrada, nunca mais foi declarada capital de nenhum outro país. Foi apenas com a criação do Estado de Israel que Jerusalém reconquistou seu lugar de honra como sede de governo de um país soberano. Muitos povos declaram seu amor por Jerusalém, mas apenas os judeus sempre a consideraram sua Capital Eterna.

É interessante notar que não são apenas os judeus os que creem que a presença judaica na Terra de Israel, particularmente em Jerusalém, seja o segredo para a redenção da humanidade. Milhões de cristãos ao redor do mundo apoiam Israel por acreditar que o retorno dos judeus a Israel seja uma condição necessária para a chegada da era utópica para toda a humanidade.
Ao mesmo tempo, não nos deve surpreender o fato que aqueles que alimentam a escuridão no mundo, sonhem em extirpar os judeus de lá.

Mas apesar dos desafios e ameaças, a luz de Israel se torna cada dia mais forte e Israel há de triunfar sobre toda a escuridão.
Vicky Safra

Fonte: Revista Morashá

quinta-feira, 23 de maio de 2013

O que podemos esperar do amanhã?


O que podemos esperar do amanhã?


Gosto muito de buscar exemplos na vida de homens e mulheres que têm amor e temor a Deus, principalmente aqueles narrados na Bíblia.
Um deles é o rei Davi. Na verdade um dos melhores exemplos, pois no fundo era um homem como outro qualquer, no que diz respeito a cometer erros e acertos e ter a honestidade para aceitá-los e revelá-los.
Por essa razão, os Salmos escritos por ele falam alto ao coração de todos nós, porque Davi escrevia sobre aquilo que estava passando. Eram experiências pessoais.
Foi com este sentimento que Davi escreveu no Salmo 14:
“Diz o insensato no seu coração: Não há Deus. Corrompem-se e praticam abominação; já não há quem faça o bem. Do céu olha o SENHOR para os filhos dos homens, para ver se há quem entenda, se há quem busque a Deus. Todos se extraviaram e juntamente se corromperam; não há quem faça o bem, não há nem um sequer.”

Este Salmo é um misto, não apenas de medo e desespero, mas também de esperança em dias melhores.
Davi já havia passado por tantas dificuldades, por tantas traições e perseguições que não via a hora em que Deus estabelecesse para sempre o Seu reino neste mundo e que finalmente todos pudessem viver em paz e harmonia.
Davi começa confrontando o pensamento e a forma de viver daqueles que não temem a Deus e a reação de seu povo diante dEle.
Chegamos a um nível em nossos dias, em que a maioria das pessoas chega mesmo a duvidar da existência de Deus.
A violência e as desigualdades sociais são muito grandes. Exemplo disso são os sofrimentos impostos por aqueles que possuem mais recursos financeiros sobre os que possuem pouco ou nenhum recurso.
Inconcebivelmente existem pessoas que se dizem ateus convictos, que negam totalmente a existência de Deus, que confiam somente em suas capacidades humanas e intelectuais. São pessoas que se consideram superiores e como diante das coisas espirituais se perdem num labirinto de suas próprias convicções, preferem negá-las a enfrentarem a realidade de que suas ponderações são infundadas e fundamentadas apenas em hipóteses construídas por suas mentes egoístas e orgulhosas que não aceitam que exista um Ser Superior que governe o Universo e tem Suas próprias leis e princípios.
Por acreditarem apenas em suas potencialidades e por entenderem que a vida do homem está circunscrita à vida terrena, praticam toda sorte de abominações contra o seu próximo. O que acontece ao seu redor não tem nenhuma importância. Para eles o que realmente importa é a sua própria vida. Seu provérbio preferido é: Cada um por si e que vença o melhor.”
Esse é o tipo de raciocínio e sentimento que move o homem natural e não precisamos ir muito longe para verificar que isso é verdadeiro. Basta andar pelas ruas de nosso bairro: Vizinhos que nem se olham no rosto, quando muito dão um “bom dia”, “boa tarde” ou “boa noite”. Alguns até têm a “preocupação” de perguntar se vai “tudo bem”, mas estão tão apressados que nem esperam para saber a resposta. Não existe um diálogo fraterno, apenas um monólogo indiferente. Essa situação não é muito diferente em alguns lares, onde a demonstração de amor e entrega transformou-se em indiferença e disputa. Ninguém se entende. Não existe interação. Quando não se tratam com gritaria e ofensas, muitas vezes nem conversam.
No trabalho, nem precisamos comentar muito. A maioria quer o lugar do chefe ou do patrão. Todos querem ter uma condição de vida melhor. Muitos dizem: “Foi para isso que estudei? Eu trabalho feito louco e no fim acabo fazendo tudo, e esse idiota (referido-se ao superior) não faz nada e ganha três vezes mais do que eu.”
Esse era também o ambiente na época em que Davi escreveu esse Salmo e é nesse mesmo contexto que vivemos hoje. Época de maldades sem limites, onde a vida humana não vale absolutamente nada. Época onde se tira a vida do semelhante por puro prazer e no caso de nosso país pela certeza da impunidade, principalmente por parte dos adolescentes isso fica mais evidente.
Esse Salmo nos ensina algumas coisas acerca do que podemos esperar do amanhã.
Em primeiro lugar, ensina que apesar da maldade do homem, Deus continua a vir ao seu encontro.
Deus tem prazer em abençoar, isto é fato incontestável para nós que cremos na Sua existência e por essa razão está sempre procurando uma oportunidade para derramar do Seu Amor sobre nós, independentemente da condição social, racial, credo religioso ou conhecimento Teológico que tenhamos.
Deus é Justiça, Paz, Imutável, Onisciente, Onipotente, Todo-Poderoso, mas o que mais me anima a buscá-LO é saber que Ele é Soberanamente Bom e o tamanho de Seu Amor por nós é inimaginável por nossa mente limitada.
Deus não criou o homem para viver no pecado nem para viver em sofrimento. Não o criou para matar seu semelhante ou para humilhá-lo. Ele o criou para ter uma vida feliz. Criou-o para ter comunhão com Ele, criou-o para o louvor de Sua Glória. Criou-o para ter intimidade com Ele.
Talvez você esteja passando por algumas dessas situações que mencionamos. Se estiver, tenha a certeza de uma coisa: Deus se preocupa com você e vem ao seu encontro todos os dias. Nesse exato momento, aí mesmo onde você está, Ele está ao seu lado para demonstrar todo o Seu amor. Por essa razão abra o seu entendimento. Abra o seu coração porque Ele quer te abençoar grandemente. É da “natureza” Divina: Ele é abençoador e tudo o que Ele criou é bom, sendo assim você é importante para cumprir os propósitos Divinos em sua vida.
Sabemos que ninguém consegue mudar da noite para o dia, mas precisamos começar a mudança o quanto antes. Precisamos dar o primeiro passo e seguir adiante sem nos preocupar com o que deixamos para trás.
Comece a pensar nisto. Comece a mudar os seus pensamentos, o seu modo de falar e agir. Comece a buscar a Deus. Tenha o desejo de mudar, porque dos céus Ele está olhando para cada um de nós, procurando quem entenda, procurando se há quem O busque com um coração sincero.
Em segundo lugar, ensina que na busca desesperada de encontrar a Deus acabamos, muitas vezes, nos afastando dEle.
Às vezes, desejando encontrá-Lo acabamos trocando os pés pelas mãos. Ao invés de buscarmos a Deus em Espírito, através do estudo de Sua Palavra, da oração e de sua aplicação em nossas vidas, acabamos tentando buscá-lO através de doutrinas e movimentos que nunca nos conduzirão a Ele.
Às vezes, no desejo de buscar uma coisa boa, prazerosa e espiritual, acabamos encontrando coisas ruins que vão nos conduzir não apenas ao afastamento da presença de Deus, mas até mesmo à morte física.
Hoje em dia existe uma imensidão de doutrinas que se proclamam as mais espirituais ou que garantem que através do cumprimento de seus ensinamentos seremos conduzidos a Deus, mas apesar de algumas delas conterem alguns ensinamentos parciais sinceros, depois de analisados percebemos que estão sempre condicionadas aos caprichos humanos de seus líderes.
Desde que os primórdios da criação, o homem busca aproximar-se de seu Criador. No início, acreditava que pudesse consegui-lo através de sacrifícios humanos e que, em assim procedendo, Deus pudesse se agradar deles. O homem criou inúmeros deuses na esperança de que eles pudessem resolver seus problemas mais íntimos, mas nessa intenção de aproximação, acabou se distanciando ainda mais de Deus.
Hoje, ainda existem doutrinas que tentam se aproximar de Deus através das observâncias mais esdrúxulas e sem o menor sentido. Existe uma enxurrada tão grande de seitas que seriam necessários bilhões de deuses para que cada um pudesse ter o seu próprio deus, como acontece na Índia e em tantos países.
Na Índia existem milhões de deuses, cada família tem o seu. Eles veem Deus nos insetos, aves, animais. Se olhassem para essas criaturas como tendo sido criadas pelo verdadeiro Deus, estariam certas, mas erram ao crerem que elas são o próprio Deus.
Em terceiro lugar, ensina que Deus é a nossa salvação, o nosso socorro bem presente.
Davi lança um grito desesperado, esperando o socorro Divino.
Apesar de conhecer até que ponto iria a maldade humana, Davi esperava confiantemente que Deus enviaria um redentor para o povo e desejava que isso ocorresse o quanto antes.
Deus conhece o sofrimento do homem e quer esta aproximação. Está sempre aguardando com os braços e ouvidos abertos para atender ao clamor dos que O buscam com inteireza de coração e desejo sincero de mudança.
O que é que Deus exige de nós para que esse encontro se realize? Financeiramente: NADA. Materialmente: NADA.
O que exige de nós é q cumpramos os ensinamentos que nos entregou. Exige de nós uma mudança de vida. Quer o nosso coração entregue totalmente a Ele.
O mundo chora as suas crises. Se procurarmos, veremos que hoje mesmo, em diversas partes do mundo, muitos estão passando por elas e não sabem como enfrentá-las e vencê-las.
São crises existenciais, de pessoas que não veem perspectivas para suas vidas. Encontram-se perdidas em meio a conflitos íntimos e não sabem a quem recorrer ou em quem confiar.
Muitos dizem não haver amanhã para o ser humano. São os pessimistas de plantão, mas estão redondamente enganados. Tudo o que Deus criou é bom e tem um propósito. Nada na criação foi por acaso ou não estava nos planos Divinos.
A coroa da criação é o ser humano, sendo assim o cuidado de Deus para conosco é constante.
O que podemos esperar do amanhã se O buscarmos? Sempre o melhor, nada menos que isso!

Que Deus te abençoe e te guarde em todos os momentos e que seu amanhã seja de paz, alegria e muita comunhão com Ele.


(בן  ברוך) Ben Baruch

segunda-feira, 20 de maio de 2013

Nunca perca a esperança!!


Nunca perca a esperança!!

Muitos, antes de conhecerem a Deus, costumam dizer que a única coisa da qual tinham certeza absoluta que aconteceria era a morte física.
Dizemos frequentemente que a nossa vida pertence a Deus, mas não nos damos conta do valor que estas palavras têm em si mesmas.
Ao lermos o texto de 2 Reis 4.8-35 nos deparamos com a história de uma mulher que, por ser cordial e temente a Deus, acabou sendo abençoada por Ele através da vida do profeta Eliseu e do drama que a acometeu com a morte de seu único filho.
Diz o texto que sempre que o profeta Eliseu passava pela Cidade de Suném, uma rica mulher oferecia-lhe pão para que se alimentasse e se fortalecesse para o restante de sua viagem.
Depois de um tempo, conversou e convenceu seu marido a deixá-la construir um aposento com móveis e uma cama preparada para que Eliseu pudesse descansar e se alimentar antes de seguir viagem, pois via nele as qualidades de um verdadeiro homem de Deus.
Eliseu queria retribuir o favor àquela bondosa mulher, mas não sabia como, pois sendo abastada financeiramente, nada havia em suas posses que pudesse pagar pelo bem que ela sempre lhe prestara. Foi então que seu servo Geazi o informou que ela não tinha filhos e sendo seu marido avançado em idade era bem provável que acabasse tornando-se viúva e sem filhos.
De posse desta informação e sem que a bondosa mulher lhe pedisse algo, disse-lhe que em breve teria uma criança em seus braços.
Um ano se passou e uma criança nasceu, conforme a palavra do profeta. Ela cresceu e num determinado dia ao encontrar-se com seu pai no campo, sentiu-se mal e foi conduzida de volta à sua casa para que se recuperasse, mas isso não aconteceu.
Deitado no colo materno veio a morrer.
Sua mãe, crendo que a cama que havia providenciado para o profeta Eliseu pudesse ser abençoada por ser o local de descanso do mesmo, deita seu filho sobre ela na esperança de que recuperasse a vida, mas isso também não aconteceu.
O clima naquela casa era de profunda tristeza. Uma mulher vê seu único filho perecer sem que nada pudesse ser feito em seu favor.
Para aquela mãe o mundo havia desabado sobre sua cabeça. Ela via diante de seus olhos o corpo inerte daquele em quem depositara todas as suas esperanças. Seu marido já tinha uma idade avançada e caso viesse a ficar viúva e sem filhos, certamente passaria por dificuldades, pois naquela época, a mulher tinha submissão total ao homem. Para alguns rabinos as mulheres não tinham alma e uma viúva sem filhos acabava dependendo exclusivamente da caridade pública.
Junto com a madeira que envolveria seu único filho, a terra cobriria também todos os sonhos acalentados por aquela sofrida mãe.
Diante desta situação decidiu ir pessoalmente encontrar-se com o profeta Eliseu para que este ressuscitasse o seu filho.
Quando o profeta recebeu aquela pobre mulher, o Eterno não lhe revelou o que havia acontecido com seu filho, mas percebeu imediatamente o inevitável clima de tristeza e, por que não dizer, de desespero que invadia o coração daquela pobre mãe.
Depois de relatar-lhe tudo o que havia ocorrido e movido de íntima compaixão por aquela mulher que tantos benefícios lhe havia concedido, envia seu servo para que colocasse seu bordão sobre o menino para que de nada adiantou. O menino permanecia inerte.
Diante do desespero da mãe, Eliseu não ficou somente no consolo aparente, mas foi até a sua casa e depois de fechar a porta ficou apenas com o menino. Orou ao Senhor e deitou-se sobre o corpo dele. Nada aconteceu. Eliseu anda de um lado para o outro do quarto e novamente se deita sobre o menino. Dessa vez o Senhor o atende. O menino espirra por sete vezes e abrindo os olhos retornou à vida.

Quantas vezes achamos que a morte física é a única saída para o estado de dificuldades pelas quais estamos passando?
Se isso estiver acontecendo com você nesse momento, não chore, nem se entregue ao abatimento e à prostração. Saiba que Deus nos chama para sermos consolados por Ele.  A pergunta é: Estamos ouvindo a sua voz ou continuamos nos lamentando, acreditando que não há saída para a nossa situação?
Mesmo diante da indiferença de seu marido que não achava oportuno chamar o homem de Deus para que curasse seu filho, aquela mãe angustiada e sofrida não se abateu e foi ao seu encontro.
Se você acredita que nada mais poderá te consolar e te colocar em pé em razão dos sofrimentos pelos quais tem passado ou acredita, erroneamente, que a vida perdeu a graça e que não vale mais a pena viver diante das dificuldades que surgem a todo instante em seu caminho, saiba que Deus cura as feridas e as mágoas que carregamos e nos conduz em alegria. Não existem impedimentos para nos relacionarmos com Ele quando estamos dispostos a fazê-lo.
O menino da narrativa abriu os olhos e recuperou a vida.
A mãe do menino, agradecida pela bênção recebida, prostrou-se aos pés do profeta para agradecer-lhe. Certamente em lágrimas pelo que Deus havia feito por seu intermédio.
E nós, o que temos feito quando somos beneficiados por Deus? Rendemos louvores a Deus, agradecendo pelo que recebemos ou simplesmente viramos as costas como se fossemos merecedores dos favores Divinos e seguimos o nosso caminho como se nada tivesse acontecido?
Que possamos todos os dias perceber essas manifestações Divinas em nossas vidas e nos transformemos para podermos devolver-lhe toda a Honra, Glória e Louvores merecidos por Ele.
Quando acharmos que a morte é inevitável e que não há mais esperanças para solucionar nossos dramas, enfermidades e dificuldades de toda espécie, procuremos olhar para dentro de nós mesmos a fim de encontrar em nosso interior a essência Divina de que somos constituídos e nos conectemos ao Eterno, buscando nEle a solução para nossos problemas e incertezas. Ele sempre responde aos que O buscam.
Deus é sempre a nossa esperança de mudança e nEle a certeza de nada nem ninguém pode nos afastar de Seu infinito Amor.



(בן  ברוך) Ben Baruch