quinta-feira, 25 de junho de 2015

Paz em Ti


PAZ EM TI

É muito importante a paz!
Governos a estabelecem, fomentando guerras, gerando pressões, submetendo as vidas que se estiolam ante jugos implacáveis.
A paz é imposta dessa forma, pelas armas, mediante a coação, e depois, negociada em gabinetes.
Vem de fora e aflige, porque é aparente.
Faz-se legal, mas nem sempre é moralizada.
Tem a aparência das águas pantanosas: tranquilas na superfície e asmáticas e mortíferas na parte submersa.
Assim se apresenta a paz do mundo: transitória e enganosa.
A paz legítima emerge de um coração feliz e da mente que compreende, age e confia.
É realizada em clima de prece e de amor, porque da consciência que se ilumina ante os impositivos das Divinas leis, surge a harmonia que fomenta a dinâmica da vida realizadora.
Essa paz não se turba, é permanente.
Não permite constrangimentos nem se faz imposta.
Cada homem a adquire a esforço pessoal, como um coroamento da ação bem dirigida, objetivando os altos ideais.
Não basta, no entanto programar e falar sobre a paz, mas visualizando-a, pensar em paz e agir com pacificação, exteriorizando-a de tal forma que ela se estabeleça onde estejas e com quem te encontres.
Seja a paz na Terra o teu anseio, em oração constante, que se transforme em realização operante como resposta de Deus.
Orando pela paz, esse sentimento te invade e o amor que de D'us se irradia, anulará todo e qualquer conflito que te domine momentaneamente.
A paz em ti, ajudará a produzir-se a paz no mundo.

Joanna de Ângelis
(Divaldo Pereira Franco)

***********************************************
Todos nós, sem exceção, ansiamos por adquirir uma paz interior que acalme os nossos corações e nos faça olhar para a vida com mais alegria e prazer. É do ser humano este sentimento. Faz parte da nossa natureza. Todos nós queremos viver em paz.
Os que detêm o poder temporal - humano - buscam-na, muitas vezes, tiranizando os seus oponentes, alegando que assim agem em favor do bem comum, mas na verdade, assim agem, como uma forma de legitimar suas nefastas atitudes e desejos inferiores.
Esse “tipo de paz”, imposta pela força, é aparente e não condiz com a realidade, porque é exterior e não traz em seu bojo os sentimentos nobres que a deferiam caracterizar.
Aparentemente parecem mansas e tranquilas, mas se olharmos com cuidado poderemos verificar que estão maquiadas para esconder toda a imundície que seus idealizadores criaram para pô-la em ação. Assim agem, na sua maioria, os ditadores e líderes laicos ou religiosos que procuram exercer o comando a qualquer preço, alheios às advertências Divinas que nos concitam à irmandade e à fraternidade mútua.
A paz que o mundo nos oferece se parece muito com o que foi dito acima, por isso é enganosa, perigosa e funesta.
A verdadeira paz brota de um coração sincero que, no desejo de agradar ao seu Criador, não mede esforços para demonstrar todo o amor que há dentro de si pelos seus semelhantes.
Ela pode ser demonstrada de várias maneiras: um abraço fraterno, um ombro amigo, uma palavra animadora, um olhar de carinho, um ouvido atento ao clamor e ao desespero do necessitado ou simplesmente um aperto de mão, que, em alguns casos, "fala" mais que muitas palavras quando é dado com sinceridade e amor.
Os que conseguem adquirir esse sentimento possuem um tesouro inimaginável pelos tiranos e pelos que olham para seus irmãos como seres insignificantes e inferiores, que foram criados apenas para servi-los.
A verdadeira paz não traz confusão aos sentidos nem aos sentimentos, porque, não sendo imposta, não gera constrangimento naqueles que a recebem.
Essa paz é uma dádiva a que todos os seres humanos têm direito, bastando apenas que a persigam como se perseguissem um valioso tesouro que os levará a lugares de refrigério e descanso; a lugares de comunhão com o Criador de tudo e de todas as coisas existentes no Universo.
Se você, neste momento, encontra-se em guerras internas, acreditando que nunca haverá ocasião em sua vida para que essa paz verdadeira se estabeleça e já desistiu de buscá-la, quero pedir-lhe que não pedir-lhe que não desista nem esmoreça e lute um pouco mais por ela. Quando você a possuir, verá o quanto valeu a pena todo o esforço despendido e perceberá que ele não foi assim tão difícil, pois bastou olhar de forma diferente para o mundo que o cerca para perceber que a Grandeza, a Bondade e a Misericórdia de Deus encontram-se em todos os cantos e ocasiões. Somos nós que não as percebemos, mas elas estão lá, aguardando o momento de serem recebidas e experimentadas.
Procure olhar para o seu irmão com mais compaixão, vendo nele uma oportunidade para revelar o grande amor de Deus por ele. Fale e estabeleça a paz em todas as oportunidades.
Sendo assim, ore para que ela se estabeleça primeiramente em seu coração e após alcançá-la, não a deixe “trancafiada”em seu interior, mas exteriorize-a, fazendo com que se espalhe e alcance todos à sua volta.
Se agirmos desta forma, poderemos vê-la espalhada por todo o mundo e contemplaremos a diminuição do sofrimento e das aflições de nosso próximo, que não raras vezes ocorrem porque não conseguiram encontrar essa paz que somente o Eterno pode nos conceder.

Essa é a vontade de Deus para as nossas vidas, aceitemos o Seu convite e nos alegremos com Ele.

Ben Baruch 

Nenhum comentário:

Postar um comentário